Project Management Knowledge Base – Conhecimento e Experiência em Gerenciamento de Projetos

Clique Aqui para uma busca avançada.

Ferramentas para Gestão de Riscos em uma Organização – Templates

Publicado em 13/05/2019

RESUMO

 A Gestão do Risco diz respeito ao estudo dos principais fundamentos da análise de risco, perigo e eventos, bem como seus objetivos e diretrizes. Este trabalho tem como objetivo fazer uma abordagem sobre riscos, gestão de riscos e algumas ferramentas utilizadas para fazer a análise de risco de uma forma mais ampla e também abordar algumas análises utilizadas pelas empresas no dia da dia de acordo com os processos desenvolvidos dando ênfase a questões práticas, relacionadas com qualquer atividade produtiva, de pequeno, médio ou grande porte. Chegando à conclusão de que o trabalho de gestão do risco pode evitar além de eventos negativos, prejuízos financeiros e perdas de colaboradores. A gestão do risco precisa do envolvimento de todos os integrantes da organização principalmente da alta administração e de pessoas habilitadas para que a efetividade desta atividade alcance seu êxito.

 

Leia os artigos completo, clique aqui.

 

Baixe os anexos do artigo, clique aqui.

 

Sobre os Autores:

curva "s"

Alunos:

Ana Paula Vieira Dias – Engenheira. Graduada em Engenharia de Segurança do Trabalho. Pós-graduada em Sistema de Gestão Integrada em Saúde e Segurança do Trabalho, Meio Ambiente, Qualidade e Responsabilidade Social. Graduando MBA (Master of Business Administration) em Gestão da Qualidade Integrada ao Meio Ambiente, Curso Técnico em Segurança do Trabalho e Meio Ambiente. Atua como Engenheira de Segurança do Trabalho na CSN Mineração. Email: anapaula.diaz2007@yahoo.com.br

Diego Bruno Santiago – Técnico metalúrgico e graduado em Engenharia de produção, Especialista em Desenho técnico, tornearia e manutenção refratária. Graduando MBA (Master of Business Administration) em Gestão da Qualidade Integrada ao Meio Ambiente. Atua como técnico de produção na Vallourec Soluções Tubulares do Brasil . Email: diegobsantiago@gmail.com

Jaqueline da Cruz Fernandes – Formação técnica em segurança do trabalho; Graduado em Engenheiro de segurança do trabalho pela Unipac; MBA em gestão de projetos pela FEAD; MBA em gestão de pessoas pelo SENAC; Líder Coach pelo IBC; Atuação na área  de prevenção de riscos ao longo de 18 anos; Atua como Coordenadora de Sistemas integrado em Saúde, Segurança, Meio ambiente e Qualidade; Representante da CSN Mineração no GRI-Grupo  Regional Integrado da FIEMG; Responsável pela implementação do eSocial na frente de SST no Grupo CSN. Email: fernandesjaqueline22@gmail.com

Marcílio Ferreira Gomes – Técnico   em   Química Industrial   e graduado em Engenharia   Química.   Graduando MBA (Master of Business Administration) em Gestão da Qualidade Integrada ao Meio Ambiente. Atua como Supervisor de Produção de Líquidos da White Martins Gases Industriais. Email: marcilio_fg@hotmail.com

Maria Clara Batista – Engenheira. Graduada em Engenharia   Química.   Graduanda MBA (Master of Business Administration) em Gestão da Qualidade Integrada ao Meio Ambiente. Email: mariaclara.rb2@gmail.com

Neide do Carmo Asevedo Egg – Engenheira. Graduada em Engenharia Mecânica, Graduando MBA (Master of Business  Administration) em Gestão da Qualidade Integrada ao Meio Ambiente. Curso Técnico de Segurança do Trabalho e Meio Ambiente. Atua como Técnica de Segurança do Trabalho na CSN Mineração. Email: neideegg1@yahoo.com.br

Ítalo Coutinho (Orientador) Engenheiro , PMP. Graduado em Engenharia Industrial Mecânica, Especialista em Gestão de Projetos e Mestre em Administração de Empresas. Atua como Gerente de Projetos e Engenharia da Saletto Engenharia. Pós-Graduado em Logística Empresarial. Coordenador e Professor de Cursos de Pós nas áreas de Engenharia de Planejamento, Gestão de Projetos de Construção e Montagem e Engenharia de Custos e Orçamentos. Autor de capítulos de livros, artigos e colunista sobre Gerenciamento de Projetos, com foco em Engenharia e Construção. Fundador do portal PMKB – Project Management Base of Knowledge. Afiliado a Sociedade Mineira de Engenheiros (SME); PMI; AACE e IBAPE-MG. Revisor do  “PMBOK Construction Extension 2015” a convite do PMI Global.

Imprimir

Editor

  1. Ana Carolina de Jesus Araujo disse:

    O presente artigo aborda que o risco pode ser apresentado como o efeito da incerteza nos objetivos (Positivo ou Negativo), e que gerenciar riscos é saber adotar medidas com o potencial de prevenir ou eliminar tais situações. É também saber identificar oportunidades que possam gerar valor para a organização.Trata-se de uma série de processos específicos com o objetivo de fazer com que a empresa não seja prejudicada pelos riscos apontados, os quais apresentam diferentes impactos e probabilidades de acontecer.Esse processo permite que a empresa atue de forma preventiva, com a utilização de ferramentas (FMEA, Matriz SWOT, diagrama de ISHIKAWA, matriz probabilidade e impacto, HAZOP) erradicando possíveis perdas, sejam elas humanas ou materiais. A gestão de riscos não se resume à ação de detectar e controlar os possíveis riscos, mas permite criar um ambiente de melhorias. Saber o que é Gestão de Riscos e como ela funciona é fundamental para o sucesso da sua empresa.

  2. Victor Navarro Matta Andrade disse:

    Por que precisamos nos preocupar com o gerenciamento de riscos? Eu tenho visto um crescente ativismo e individualismo nos ambientes das organizações, amplificado por pressões políticas, resultando em uma intensificação da práticas de controle. A partir desse ponto amplo de vista, apesar da conversa positiva, a nova onda de gestão de risco pode ser considerada como uma reação defensiva a um ambiente cada vez mais exigente, com profissionais mais capacitados e principalmente empresas que os buscam.
    Com a educação oferecida pelo estudo da ISO 9001, acredito que o profissional se torna mais atento a mais detalhes, que oferecem riscos, tendo uma visão mais sistêmica dos processos da empresa.
    Acredito que é de grande relevância todos os métodos criados para a gestão de riscos, como falado também, que a utilização de apenas uma ferramenta não significa a extinção dos riscos. O foco é utilizar o máximo possível de ferramentas para mitigar o risco da melhor forma possível.

  3. Rodolpho Diego Silva Pereira disse:

    O artigo tem uma abordagem sobre a Gestão de Risco dentro das organizações que buscam gerenciar os fatores de riscos internos e externos, todos como uma incerteza e seus possíveis impactos. Para isso, são necessárias algumas ferramentas já conhecidas para subsidiar essa gestão:
    (FMEA, Matriz SWOT, Diagrama Ishikawa, Matriz de Probabilidade e Impacto). Entretanto, para que todo este processo aconteça, é necessário incorporar na organização a gestão de riscos de forma ordenada, usando seus colaboradores como multiplicadores. Diante disso, chegamos aos indicadores capazes de monitorar e trabalhar com a melhoria contínua.

  4. Ely oliveira disse:

    Cada vez mais riscos impactam nas organizações, comprometendo resultados e o alcance de objetivos. Com um ambiente de negócios cada vez mais complexo, incluindo os avanços da tecnologia e as exigências regulatórias crescentes, as incertezas sobre o seu negócio só aumentam. Por isso, uma boa metodologia é uma ferramenta de gestão adequada são instrumentos imprescindíveis para identificar, avaliar e monitorar os riscos da sua empresa, estabelecer controles de mitigação eficazes e investir em ações preventivas que busquem a melhor forma de evitar surpresas desagradáveis. Não existe a melhor ferramenta para gerir riscos, existem ferramentas, e a melhor é aquela que adequa ao seu processo.

  5. Kamila Matosinhos Silva disse:

    A alta competitividade vivenciada pelo atual mercado empresarial dos dias de hoje, faz com que o GERENCIAMENTO ORGANIZACIONAL DE RISCOS seja um grande diferencial na corrida pela obtenção de confiabilidade e previsibilidade dentro das empresas, o qual se torna de extrema importância a criação de estratégias que identifiquem, administrem, conduzam e previnam os possíveis riscos organizacionais, minimizando e/ou mitigando os impactos negativos e em contrapartida, maximizando aqueles que forem positivos para a empresa.

    Para que seja realizado tal estudo, diversas são as ferramentas disponíveis, podendo cada uma delas oferecer diferentes resultados ao final da avaliação, de acordo com a necessidade da empresa e processo a ser investigado.
    FMEA, SWOT, Ishikawa, Matriz de probabilidade e impacto são algumas mais tradicionalmente difundidas e utilizadas a nível macro e estratégico. Além dessas, podemos destacar a ferramenta HAZOP que confere uma avaliação mais minuciosa e metódica a cada segmento de um determinado processo, mesmo em condições normais de funcionamento.

    Em um nível mais operacional de avaliação ou, para atividades cotidianas é possível a utilização de ferramentas simples de aplicação e desenvolvimento, tais como análise de segurança da tarefa e análise preliminar de risco. Pensando de forma preventiva, a criação de procedimentos operacionais são de grande auxílio ao expressar o planejamento das rotinas diárias afim de reduzir a ocorrência de falhas.

    Supondo que o risco seja eminente ou já tenha acontecido, esse também pode ser avaliado através do uso das ferramentas Análise de Falhas e Relatório de Análise de Incidente.

    Portanto, a gestão de riscos se mostra importante e eficiente, objetivando eliminar, mitigar ou controlar o risco, caso negativo, ou potencializar as oportunidades quando se tratar de um risco positivo.

  6. Mateus Eduardo Abreu disse:

    A ISO 9001:2015 trás a mentalidade de riscos, visto que muitas empresas no Brasil e no mundo ainda agem reativamente à situações adversas. De forma mais avançada, a ISO 31000:2018 trás o conceito de “Gestão de Riscos”, ou seja, algo mais complexo. É importante ressaltar que a implantação da gestão de riscos deve ser conduzida de forma sistematizada, a fim de criar um ambiente de melhorias. A apresentação do artigo em trazer as cinco etapas e, além disto, as ferramentas mais comuns, é de suma importância para que o leitor conheça o que o mercado pratica de melhor e, com base na necessidade, opte pela aplicação da que lhe convém. Chama-se a atenção a ferramenta HAZOP, visto que tem como objetivo investigar de forma minuciosa e metódica cada segmento de um processo.

  7. Ana Caroline Guimarães disse:

    Apresentar as ferramentas de gestão de risco para as organizações é de suma importância, muitas realizam suas atividades sem mensurar os riscos ou até mesmo sem saber que existem ferramentas que auxiliam esse processo! A gestão de risco aplicada em uma organização pode evitar grandes perdas financeiras, de tempo e pessoal.A implantação de um sistema de gestão de riscos não pode acontecer de forma isolada, mas com a participação de todos e por isso detém algumas etapas, como identificação dos riscos, avaliação, o tratamento que será utilizado em cada um, o monitoramento e a comunicação em cada etapa.

  8. Anna Flávia Parreira da Silveira disse:

    De acordo com o artigo, o risco pode ser entendido como um efeito de incerteza, tanto positivo quanto negativo. Podendo ser caracterizado, pela menção aos eventos potenciais e suas decorrências e/ou a combinação deles. A gestão de risco é um termo utilizado para definir estratégias, com o objetivo de identificar e prever os riscos relacionados à determinada atividade. Além disso, o controle dos riscos também promove um ambiente de melhorias trazendo grandes benefícios às empresas. Os principais recursos utilizados para gestão de riscos nas organizações são: FMEA que através desta ferramenta é possível identificar, avaliar e propor ações corretivas, além disto, é crível usar a matriz SWOT utilizada para identificar fatores positivos com o objetivo de potencializá-los e mapear os negativos com o intuito de eliminá-los ou mitiga-los; sendo feita de maneira integrada ao ambiente interno e externo da organização. Outra ferramenta usada é o diagrama de Ishikawa, que busca identificar as prováveis causas de determinado risco. E por último a Matriz de probabilidade e impacto, sendo usada para categorizar e priorizar os riscos que devem ser trabalhados primeiro, com o objetivo de eliminá-los ou mitiga-los. No entanto, existem outras ferramentas mais específicas, utilizadas nas atividades cotidianas, que também, são bastante utilizadas e importantes na gestão dos riscos.

  9. Sônia Rodrigues Machado disse:

    Muitas as ferramentas para gerenciar os riscos, porém, para sua eficácia é necessário o envolvimento de todos os setores, o que implica numa compreensão difundida, para que essas ferramentas sejam compreendidas e aplicadas adequadamente.
    A Norma NBR 31000 – Gestão de Riscos, estabelece as etapas direcionadas aos riscos, e muitas são as ferramentas que auxiliam no gerenciamento dos riscos encontrados.
    Algumas ferramentas são mais conhecidas, digamos “populares” que outras como é o caso da SWOT, bem simples e de fácil aplicação. Outras já exigem uma maior compreensão para serem aplicadas como devem, caso da HAZOP.
    Mas o que vale ressaltar é que dentre inúmeras ferramentas existentes, cada uma terá objetivos muito direcionados e específicos, ou seja, é preciso compreender os riscos para a melhor escolha da ferramenta a ser aplicada.

  10. Mariana A. Nogueira da Silva disse:

    A definição de risco é mensurar a probabilidade e um impacto. Onde o seu gerenciamento tem como objetivo minimizar as ocorrências surpresas, alavancar os resultados positivos como forma de eliminar, mitigar e controlar os riscos.
    Todas as organizações sofrem influencias de fatores internos e externos. Com o auxílio de algumas ferramentas (FEMEA, SWOT e Ishikawa), que irá auxiliar na identificação dos impactos, podendo eles ser utilizados de forma macro conforme a análise da empresa; E a ferramenta, HAZOP, sendo aplicáveis em atividades cotidianas.
    A gestão de riscos mostra como caminhar com a existência de risco, acompanhando-o de forma que este possa ser controlado e tratado. Evitando os eventos negativos e prejuízos financeiros para as empresas.

  11. Pallene de Meira Sena disse:

    O artigo tem como tema a Gestão de Riscos, e aborda de uma forma bem direta como e quando estes processos devem ser aplicado nas organizações.
    O Risco é um efeito de incerteza, que podem trazer impactos positivos ou negativos para as empresas, por isso a importância em utilizar as ferramentas de análise de risco, para minimizar os impactos negativos e ou potencializar os positivos.
    Podemos utilizar recursos como SWOT, FMEA, Diagrama de Ishikawa entre outras para analisar os riscos de forma macro, mas há também ferramentas mais específicas para serem usadas no dia a dia da organização, como por exemplo, Análise Preliminar de Risco, Gestão de mudanças, entre outros.
    Todos os procedimentos sendo eles macro ou para uso cotidiano, são de extrema importância na atual realidade do mercado para que as organizações possam prever de forma mais objetiva os reais riscos que podem ter com a implantação de novos projetos, processos e ou produtos.

  12. Flávia Caroline Marques disse:

    O artigo acima aborda como tema a Gestão de Riscos em quais aspectos dentro da organização deve ser utilizado , etapas para o desenvolvimento do estudo do mesmo e as ferramentas que nos auxiliam nesse estudo.Risco pode ser visto tanto de forma positiva, sendo assim a organização deve valorizar suas oportunidades como de forma negativa ,tratando o efeito afim de eliminar,mitigar ou controlar esse risco.
    As ferramentas utilizadas nesse processo de gestão, de forma macro nas organizações, são: o FMEA ,Matriz SWOT,Diagrama Ishikawa,Matriz de Probabilidade e Impacto,porém existem as mais específicas utilizadas de forma cotidiana no processo.
    Uma boa gestão de riscos significa promover a melhoria contínua do processo organizacional.

  13. Camila Cristina Ferreira disse:

    Executar uma boa gestão de riscos significa utilizar de forma correta todas as etapas necessárias para se tratar os riscos, sejam elas realizadas a fim de mitigar, aceitar, transferir ou explorar os riscos. O artigo aborda as etapas da gestão de risco, que são: a identificação do risco, a avaliação da probabilidade e o impacto do risco, qual tratamento deve ser realizado para se tratar o risco e como será monitorado as implementações realizadas para se tratar os riscos. Além disso, o artigo elucida as ferramentas aplicáveis à gestão de risco, sendo elas FMEA, Matriz SWOT, diagrama de ISHIKAWA, matriz probabilidade e impacto, HAZOP e ferramentas aplicáveis à realização de atividades cotidianas, como análise preliminar de risco, de falhas, de segurança, etc. Todas as ferramentas citadas podem ser combinadas para potencializar os seus benefícios, auxiliando a gestão de riscos das organizações.

  14. Francislaine Marques Silva disse:

    Artigo 1 – (781 caracteres)
    O presente artigo aborda o impacto que tem uma gestão de risco dentro de uma organização e apresenta algumas ferramentas que possibilitam identificar os problemas ou risco para que a empresa possa trata-los.
    Gerir riscos, quer dizer mitigar possíveis problemas. O risco pode ser positivo ou negativo e para uma organização é importante assumir alguns fatores que requerem riscos, mas devemos ir com cautela e é recomendável utilizar ferramentas de trabalho que possibilitam a identificação e minimização destes riscos que podem ser negativos para uma organização.
    Assim, propor ações com uma gestão de risco eficiente e fundamental para a saúde de uma empresa.
    Uma gestão de riscos mal feita pode prejudicar e muito a saúde da empresa, além de prejudicar seus colaboradores que são fundamentais dentro da organização. Fazer a gestão de riscos também serve para permitir criar um ambiente de melhorias constantes nas empresas.

Deixe uma resposta

Li e concordo com a Política de Privacidade

Compartilhe:

Av. Prudente de Morais, 840 Conjunto 404

++55(31) 3267-0949

contato@pmkb.com.br

Seg á Sex de 09hrs á 18hrs